Fortalecimento

Desapegue do desnecessário!

22 janeiro, 2018

Enquanto lê, ouça ‘Abba’ – Jonathan David Helser e Mellisa Helser’.

É incrível como a rotina consegue dirigir nossas vidas quase como que inconscientemente. E de repente, nos acostumamos a caminhar com fardos desnecessários.
As frustrações possuem o péssimo hábito de nos convencer de verdades que na verdade em nada correspondem ao ideal do Pai, criado por Suas mãos, para que vivêssemos.
Mas, nossa mente, rotineiramente, acaba se apegando a estas pesadas verdades, e olhar pra elas já não dói tanto, e aceita-las parece ser menos dolorido do que deixá-las partir.
Nos tornamos a concretização da felicidade aparente, quando na verdade nem sabemos ao certo o porque estamos aqui e para quê estas experiências foram úteis na nossa trajetória.
E assim, seguimos, apegados ao desnecessário, afinal, necessário mesmo é se apegar a maior verdade que já houve na história.

‘Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu único filho para morrer em uma cruz por amor a você!’

Que verdade! Ele nos amou! Nos ama! E continuará nos amando por um tempo que o tempo não consegue delimitar!
E Sabe aquelas acusações, rótulos e culpas que você já colocou em suas costas, inclusive, para iniciar este dia? Os lance ao chão agora, eu decidi lançar os meus! O fardo do Pai é leve!
E posso te falar algo bem baixinho? Conceder abrigo e morada ao Santo Espírito dEle é nossa única necessidade!
E nos somos livres para lançar aos pés dAquele que já levou sobre Si todos os nossos anseios, qualquer outro fardo que venha a divergir desta inalterável verdade!
Esse apego precisa ser moldado a uma postura de desapego! E quando o desnecessário não ocupar mais espaço, teremos um lugar limpo à espera de ser ocupado por um Deus que tanto se alegra em segurar nossas mãos e escrever a história mais incrível que possa existir!
Que os dias vindouros sejam de pleno descanso e desapego daquilo que nos oprime, e apego ao amor incondicional que somente Ele nos oferecerá por todas as manhãs!

Com amor em Cristo Jesus,

Priscilla Patricio.

Comentários

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply